Rotina de 3 Passos para fazer seu bebê dormir

E-BOOK 100% GRATUITO

Rotina de 3 passos para fazer seu bebê dormir

Preencha o campo abaixo para fazer o download do e-book / Rotina de 3 Passos para fazer o seu bebê dormir.  Conheça também como Bônus Super dicas para Mães de Primeira e Segunda Viagem em seu e-mail.

Cuidados que toda mãe deve tomar durante a quarentena pós-parto

quarentena pós parto

Depois da gravidez, a nova mamãe precisa de um tempo especial para que seu corpo se reabilite. Afinal, os nove meses de transformações intensas no corpo fizeram muita diferença, e é essencial se cuidar para que o organismo volte a ser como era antes da gestação. O período de quarenta dias pós-parto, ou quarentena, também é conhecido como puerpério e resguardo.

A intensidade das mudanças que o corpo sofre durante a gestação é tão grande que o útero, por exemplo, chega a aumentar seu tamanho em até dez vezes! De uma média de 90 gramas, o órgão pode chegar a pesar 1000 gramas, ou um kilo.

Cada mamãe terá uma experiência diferente com relação ao ganho de peso e mudanças em seu corpo. Por isso, a quarentena terá regrinhas diferentes para cada uma. O que vale nessa hora é respeitar todas as orientações do profissional de saúde que estiver acompanhando o seu desenvolvimento.

O que muda?

quarentena pós parto

As mudanças são inúmeras, assim como quando o seu corpo passou a se preparar para receber o bebê. Dessa vez, ele se prepara para voltar ao estado pré-gestacional, fazendo uma espécie de caminho inverso. Pode-se dizer que quase tudo muda! O peso, a produção de hormônios, menstruação, produção de leite… O mais indicado é se informar com antecedência sobre todos os cuidados que você deverá tomar na quarentena.

Hormônios

A redução da produção de hormônios é perceptível na fase do puerpério. Assim como no período da gravidez, a mulher ficará mais sensível, e por isso é importante que esteja cercada de familiares e amigos que possam auxiliar nas tarefas do dia e estejam bem dispostos. Um ambiente alegre em casa pode ajudar a prevenir o desânimo e tristeza que podem acompanhar a queda hormonal. O mais importante é ter tempo para descansar e conseguir apoio para cuidar do novo bebê durante sua recuperação.

Útero

O útero é um dos órgãos que mais irá mudar durante a quarentena, afinal, ele foi o responsável por carregar seu bebê. Depois da remoção da placenta, é comum sentir contrações. Elas ocorrem para que ele volte ao tamanho inicial, um processo que dura cerca de 10 dias. Nesse estágio, procure se hidratar com frequência para agilizar a contração.

É possível que você sinta um desconforto semelhante às cólicas menstruais durante a fase de contração do útero, especialmente enquanto amamenta. Isso acontece porque a sucção do bebê estimula a produção de ocitocina no corpo da mãe, um hormônio que desencadeia as contrações.

Outra mudança que ocorre é o sangramento, que é semelhante à menstruação, e serve para eliminar os resíduos de revestimento do útero.

Amamentação

quarentena pós parto

O tamanho dos seios tende a aumentar conforme a produção de leite inicia. Nos primeiros dias da quarentena pós-parto, o colostro é produzido, o primeiro alimento do seu bebê. A partir do terceiro dia, o leite é produzido pelas mamas e continua aumentando conforme seu bebê se alimenta.

Além disso, amamentar é uma forma eficaz de perder o peso ganho durante a gravidez. Por isso, essa atividade é estimulada por profissionais para acelerar o processo de recuperação da mamãe durante a quarentena pós-parto.

Lembre-se de garantir sua hidratação sempre e usar sutiãs de amamentação que sejam confortáveis e práticos.

Sexo

Durante a quarentena, é mais indicado que o corpo da mulher seja poupado de relações sexuais por estar em transformação. Uma das preocupações nesse período de resguardo é que a mulher volte a engravidar novamente. Médicos afirmam que as chances de se engravidar no período pós-parto são pequenas, mas a possibilidade não é completamente descartada. Conforme os 40 dias passam, as chances de engravidar aumentam gradativamente.

É importante consultar seu médico para que ele indique o melhor método contraceptivo para o seu caso e que não cause interferências no leite materno.

Meu bebê não para de chorar. E agora?

Existem diversos motivos para o choro do seu bebê e você precisa conhecer todos eles.

Quando os bebês começam a chorar de repente, algumas mães de primeira viagem podem até entrar em pânico por não saberem o real motivo da irritação do seu filho.

Cólicas, fraldas sujas e fome podem ser bons motivos para o choro do bebê e, em determinadas situações, a irritação da criança se torna tão grande a ponto de deixar os pais mais inexperientes de cabelo em pé!

Quanto mais os bebês choram, mais os pais ficam nervosos e esse nervosismo é sentido pela criança. Portanto, trouxemos para vocês algumas situações que deixam os bebês extremamente irritados e que podem ser verificadas facilmente para não se tornar uma tempestade em um copo d’água.

1. Fralda Suja ou apertada

Ficar com as fezes ou a urina encostando na pele deixa os bebês muito irritados. A pele do pequeno é sensível, por isso a fralda é uma das primeiras coisas que devem ser constantemente observadas. Outro detalhe é verificar se a fralda está bem colocada, sem apertar o bebê nas dobrinhas. A peça muito suja pode causar até machucados na pele do bebê.

2. Fome

Talvez esse seja o principal motivo pelo qual os bebês choram. Por não saberem se comunicar de outra forma, o choro é a maneira que eles têm para deixar claro que precisam se alimentar.

3. Calor ou frio

É comum que os bebês sintam as mudanças de temperatura mais dos que os adultos. Nos primeiros dias de vida, eles perdem calor mais rapidamente, necessitando de aquecimento constante. No entanto, o excesso de calor também incomoda. Por que, assim como as fezes ou xixi, a pele sensível do bebê pode ficar irritada com o suor.

O choro é a maneira que os bebês encontram para demonstrar o que sentem

4. Assaduras

As mudanças de temperatura, a baixa frequência na troca de fraldas e até uma alergia podem deixar a pele do bebê dolorida e vermelha. Pode ser preciso utilizar algumas pomadas, para suavizar o incômodo.

5. Sono

Até uma certa idade, os bebês não conseguem entender que dormir é a melhor maneira de descansar. Por isso, eles ficam extremamente irritados quando estão cansados e têm dificuldade em relaxar. Você pode dar uma banho gostoso em seu bebê e diminuir as luzes do ambiente, para que ele, aos poucos, se acalme e consiga dormir com mais facilidade.

6. Cólicas

Se para nós, mulheres, as cólicas menstruais sempre foram uma dor de cabeça, imagine para um recém-nascido que não faz ideia do que está acontecendo. As cólicas constantes costumam afetar os bebê até os três meses de vida, devido ao organismo que ainda está em processo de conclusão do sistema digestivo. Uma boa dica para tentar resolver esse problema é colocar o bebê de bruços, massagear ou colocar compressas com panos mornos.

7. Excesso de estímulo

É preciso tomar cuidado com a quantidade de estímulo dada a um bebê. Às vezes a agitação de outras crianças, a brincadeira com os pais ou barulhos externos podem deixar os bebês incomodados e então eles choram, por irritação. Vale lembrar que nossa audição não para, nem quando dormimos. Os bebês são muito mais sensíveis a isso.

8. Refluxo

Alguns bebês sofrem com o problema do refluxo, o que causa uma queimação no estômago, trazendo a irritação e o choro incessante. Se o seu bebê não regurgita e você não consegue identificar a causa do choro, procure seu pediatra para verificar se o motivo não é esse.

Você gostou desse artigo? Então lembre-se de de compartilhá-lo com suas amigas!

Importante: essa matéria não deve substituir uma consulta ao médico!

Ceia de Natal: o que as grávidas devem evitar

As festas de fim de ano são marcadas pela ceia de Natal farta, e no ano novo ela também é cheia de gostosuras. Para quem está grávida, pode ser uma tentação resistir à mesa com peru, farofa, rabanada, pavê e vinho para acompanhar. Mas, muita calma nessa hora! Não é porque você está grávida que precisa comer por dois, mamãe!

As gestantes devem manter distância de alimentos crus e bebidas alcoólicas, que são terminantemente proibidos. Especialistas em nutrição afirmam que alimentos gordurosos e com muito sal também podem ser extremamente prejudiciais para a saúde da mãe e do bebê. Esse tipo de comida dificulta a circulação sanguínea, aumentando a pressão arterial.

Quais alimentos devo evitar na ceia de Natal?

Não precisa passar vontade! Para curtir a data com a família, basta fazer algumas substituições. Trocar os queijos e vinhos de aperitivo por castanhas e outras oleaginosas é uma ótima alternativa. Além de serem ricas em gorduras insaturadas – que fazem bem para o corpo – elas protegem o sistema cardiovascular, quando consumidas sem exageros, é claro.

Para evitar carnes que possuem grande concentração de gordura, dê preferência a cortes magros, e tenha certeza de que todas as carnes serão servidas em ponto bem passado. Dessa forma, você evita contaminação por bactérias. Retirar pele de carnes de aves e aquela gordurinha da carne vermelha também é uma dica de especialistas para a ceia de Natal das grávidas. Além dessas partes serem muito calóricas, essas gorduras são do tipo saturada, ou seja, que podem entupir artérias.

Louca por doces? E agora?!

O mesmo cuidado vai para a hora da sobremesa na ceia de Natal! O ideal é substituir doces açucarados por frutas da estação. Doces mais pesados como pavês, tortas e mousses possuem uma carga muito grande de açúcar.

Nessa fase, a gestante deve ter consciência de que é preciso ter moderação nas refeições, prezar pela qualidade dos alimentos e ficar de olho nos nutrientes que estão sendo ingeridos em cada refeição. Assim você garante sua própria saúde e se certifica de que o bebê está se desenvolvendo de forma saudável.

Ceia de Natal: O que o bebê pode comer?

É tempo de celebrar! A ceia de Natal é um dos momentos mais especiais dessa época de ano, quando exaltamos o amor e a união com uma mesa farta e recheada de delícias. Para os pequenos curtirem a data com saúde, a família precisa planejar os pratos que os bebês vão poder experimentar.

A partir de que idade o bebê pode comer?

Quando completam seis meses de idade, os bebês já podem iniciar a introdução alimentar. Mas isso não significa que ele já está pronto para encarar a farofa da vovó. É preciso respeitar as etapas do desenvolvimento do pequeno, especialmente quando ele acabou de conhecer novos sabores.

Até completar o primeiro ano, o consumo de frutas, legumes, verduras, proteínas magras, cereais e leguminosas está liberado, mas a família tem que ter um cuidado extra no preparo. Bebês tão pequenos não devem consumir produtos industrializados, gordura saturada e açúcar. O tempero da comida deve ser fresco e com pouquíssimo sal.

Essa é uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo interessante que a família mantenha a cautela até o segundo aniversário do pequeno. Preparamos uma lista com alguns pratos típicos da nossa ceia de Natal para exemplificar o que o bebê não pode comer:

  • Balas, doce de leite, brigadeiro;
  • Castanhas e nozes;
  • Uva passa;
  • Rabanada;
  • Pernil;
  • Tender;
  • Cidra sem álcool;
  • Gelatina colorida e sobremesas em geral;
  • Farofa;
  • Maionese;
  • Salpicão.

O que o bebê pode comer na ceia de Natal?

Na ceia de Natal, os papais podem separar os alimentos que podem ser consumidos pelos bebês, como os cortes de carne magra. O peru, por exemplo, se não estiver com um tempero muito forte, pode ser oferecido ao bebê sem problemas. O único cuidado é priorizar a parte magra da carne, como o peito, desfiadinho.

Outro prato que é saboroso e repleto de nutrientes é a lentilha, sem os acompanhamentos tradicionais (bacon e linguiça). Complete a refeição do pequeno na ceia de Natal com o arroz e salada, que pode ter ingredientes variados, sempre respeitando a regrinha de evitar sal e temperos industrializados em excesso.

Para a sobremesa, ainda não é o momento de apresentar os prazeres do pudim e do pavê. Deixe que o pequeno saboreie as frutas da estação, que são deliciosas e ainda ajudam a hidratar no clima quente do nosso país. Uvas, ameixa, manga, abacaxi, pêssego e melancia são ótimas pedidas para uma noite feliz!

Atenção ao risco de engasgo

Na hora de oferecer os alimentos aos pequenos, tenha cautela com os tamanhos dos pedaços. Corte frutas, legumes, verduras e carnes em pedaços pequenos. Uvas e tomates cerejas devem ser cortados em quatro pedaços. Nunca ofereça alimentos duros.